Plano para modernização econômica pode impulsionar as viagens de negócios já em expansão

Gastos corporativos em viagens de, para e internas na África do Sul atingiram US $11 bilhões em 2018, de acordo com a análise da BCD Travel de dados da Oxford Economics. As viagens domésticas representaram quase 60%. O crescimento dos gastos, em média 6% ao ano entre 2013 e 2018. Preste atenção para a aceleração de mais de 7% anualmente até 2023, à medida que os gastos de viagem corporativas domésticas se fortalecem.

Pergunte como a BCD Travel pode ajudá-lo a obter viajantes para mercados emergentes e estabelecidos em todo o mundo.

Crescimento econômico e gastos com viagens de negócios

  • A África do Sul classifica-se à frente da Nigéria como a maior economia da África. É a 31ª no mundo, com uma economia equivalente à Irlanda.
  • Recursos naturais abundantes são fundamentais. A produção de ouro está caindo constantemente, mas a saída de platina, carvão, níquel e outros minerais está subindo, em resposta a preços globais mais elevados.
  • Para reduzir a exposição à volatilidade dos preços das commodities, a África do Sul está diversificando a sua economia – particularmente expandindo os serviços. Os setores financeiros, de telecomunicações, turismo, transportes e logística têm-se desenvolvido.
  • O crescimento econômico é dificultado pela urgente necessidade de reforma para reduzir o custo de fazer negócios; uma falha em lidar com êxito com a corrupção; e deprimindo consumidores e confiança nos negócios.
  • Em agosto, o ministro das finanças da África do Sul anunciou um plano de modernização econômica, reformas e criação de emprego destinadas a dar início ao crescimento.
Clique na imagem para ampliar

Viagens internacionais

  • Viagens internacionais expandiram 4% nos últimos cinco anos. O volume anual de passageiros de partida cresceu 5%, e as chegadas aumentaram 3%. É esperado que o crescimento se mantenha até 2023, embora haja a previsão que as chegadas aumentem mais rápido do que partidas.
  • Os visitantes da África do Sul respondem por 62% das viagens internacionais. Mais de um quinto dos visitantes chegam do Zimbabué. Nos próximos cinco anos, as chegadas do Reino Unido e dos EUA crescerão 11% por ano, em média; cada país será responsável por 6% das visitas.
  • Moçambique é o principal destino para viajantes do Sul da África. Zimbábue, Suazilândia, Botsuana e Lesoto também são populares.
  • A estatal South African Airways (SAA) é a maior companhia aérea do país, representando cerca de um terço dos voos que partem dos seis maiores mercados da África do Sul.
  • Combine as operações herdadas da SAA com voos operados por sua operadora de baixo custo, Mango, e as companhias aéreas respondem por mais da metade das partidas de Joanesburgo (incluindo o aeroporto secundário -Lanseria) e George, e mais de 40% das partidas da Cidade do Cabo, Durban e Port Elizabeth.
  • Os maiores rivais domésticos da SAA são a Comair, que apera voos da British Airways entre as principais cidades, e a operadora de baixo custo Kulula também afiliada à BA.
  • A rápida expansão da FlySafair está aumentando a concorrência de baixo custo.
Clique na imagem para ampliar

Demanda por hotel

  • A procura por hotéis na África do Sul caiu 14% entre 2013 e 2018.
  • Diárias de viajantes domésticos diminuiu, em média, 7% por ano.
  • A procura internacional era mais resiliente, expandindo 5% por ano no mesmo período. É esperado que cresça nesse ritmo até 2023.
  • Grupo local de hospitalidade, jogos e entretenimento, Tsogo Sun é a maior cadeia hoteleira da África do Sul. Ela opera 83 hotéis de diferentes marcas, entre eles: categoria econômica: SUN1; StayEasy de midscale; SunSquare midscale superior; e Maia – luxo.
  • Após a aquisição da cadeia local Protea em 2014 e subsequente fusão com a Starwood, o Marriott é agora a segunda maior cadeia da África do Sul com 63 hotéis. A maioria são propriedades do Protea -midscale superior.
  • O City Lodge Hotel Group Opera 55 hotéis.
Clique na imagem para ampliar

Copyright © BCD Travel